NOTÍCIAS
<< Voltar 28/01/2020
Tecnologias potencializam o uso da madeira na construção civil

A roldana, o compasso e a máquina calculadora são exemplos de invenções que revolucionaram o uso da madeira na construção civil, prática que remonta a milênios. Mas nunca antes na história a tecnologia tem contribuído tanto para ampliar essa utilização como no momento em que vivemos.
Impressão 3D, MLC (madeira laminada colada), Sistema Wood Frame, BIM (Building Information Modeling) e CNC (Controle Numérico Computadorizado) para a indústria da madeira estão entre as novidades que estão auxiliando profissionais e empresas a potencializar o uso da madeira na construção civil -- que vive um inegável crescimento no Brasil e no mundo, graças a uma série de vantagens sobre outros materiais -- tema que já discutimos em artigos anteriores.
Uma das grandes inovações da década é a impressão 3D, usada em uma série de áreas, da saúde à moda. Na engenharia civil, a tecnologia, já consolidada em países como Estados Unidos e China, dá os seus primeiros passos no país e promete redução de custo da obra e de tempo de construção -- vantagens que a madeira já oferece por si só.
O BIM (Building Information Modeling) é outra inovação que tem ajudado a aumentar o uso da madeira na construção civil. Esse conjunto de tecnologias de informação e processos, que pode ser traduzido como Modelagem da Informação da Construção, permite que o profissional gerencie toda ou uma parte da obra, garantindo maior organização, rapidez e segurança. A tecnologia permite, por exemplo, readequar custos, detectar erros de cálculos ou lidar com imprevistos.
Ainda na área de softwares, o CNC (Computer Numeric Control, ou Controle Numérico Computadorizado) é um sistema que controla máquinas em linhas de produção. Não uma inovação em si, uma vez que é utilizado no Brasil desde a década de 80. Mas é uma novidade no segmento de madeira, uma vez que antes era apenas voltado a tornos e centros de usinagem, e cada vez mais conquista outros segmentos, começando a ser usado na indústria de madeira e mobiliário.
Mas não é só na área de tecnologia da informação que a construção civil vem ganhando inovações para o uso da madeira. Uma das grandes revoluções nesse segmento é o chamado Sistema Wood Frame, uma concepção construtiva que consiste numa estrutura feita por perfis de madeira. O Wood Frame é caracterizado por estrutura de perfis leves de madeira contraventadas com placas estruturadas de derivados de madeira que, montadas em conjunto dão maior rigidez, forma e sustentação à edificação. É uma inovação revolucionária: reduz em 85% a geração de resíduos e em 90% o uso de recursos hídricos, além de oferecer até o triplo de rapidez na construção.
Outra tecnologia que já é realidade na construção civil brasileira é a MLC (Madeira Laminada Colada) -- um painel estrutural feito de madeira e adesivos de colagem sobrepostos (as fibras ficam paralelas entre si) que garante enorme rigidez e resistência às construções. Pode ser trabalhada em qualquer forma e tamanho, e é mais utilizada em peças de grandes dimensões, como vigas, pilares, painéis de revestimento e decks. Novas tecnologias de conexão/encaixe e de madeira de engenharia também estão entre inovações do setor.
As tecnologias recentes são importantes não só por suas repercussões práticas na construção civil, mas também por serem uma ferramenta extra na divulgação dos benefícios da madeira em nosso país, que vive um deficit habitacional recorde de 7,7 milhões de residências, segundo a última Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios). Quanto mais tecnologias surgem na área, mais ficam transparentes as vantagens (e necessidades) do uso da madeira na construção civil de nosso país -- entre elas a sustentabilidade, a segurança, o tempo e o custo.
Silvio Lima, Gerente comercial da Montana Química


Fonte: Montana Química
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Endereço:
Rua Ana Neri, 300 Sl 307
Jardim Caiçaras
Londrina - Paraná
CEP.: 86015-610
Contato:
43 3334-1885
43 3028-1887
43 9647-8822
contato@acomaclondrina.com.br
Desenvolvido por: Anderson Morais e Paulo Silveira